segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

São João Evangelista- O Apóstolo do "Amor"

                                           
ORAÇÃO:
Pai Eterno, pela poderosa intercessão de São João, Apóstolo amado de Jesus, eu rogo pelas graças de que tanto necessito. Abro meu coração, agora e sempre, para ouvir a Vossa Voz e experimentar Vosso Poder em minha vida. Assim como São João, quero acolher a Palavra de Jesus e com amor levar as sementes do Vosso Reino por onde eu passar. Amém.  
                                                                                  

27 de Dezembro

O nome deste evangelista significa: "Deus é misericordioso":uma profecia que foi se cumprindo na vida do mais jovem dos apóstolos. Filho de Zebedeu e de Salomé, irmão de Tiago Maior, ele também era pescador, como Pedro e André; nasceu em Betsaida e ocupou um lugar de primeiro plano entre os apóstolos.

Jesus teve tal predileção por João que este assinalava-se como "o discípulo que Jesus amava". O apóstolo São João foi quem, na Santa Ceia, reclinou a cabeça sobre o peito do Mestre e, foi também a João, que se encontrava ao pé da Cruz ao lado da Virgem Santíssima, que Jesus disse: "Filho, eis aí a tua mãe" e, olhando para Maria disse: "Mulher, eis aí o teu filho". (Jo 19,26s).

Quando Jesus se transfigurou, foi João, juntamente com Pedro e Tiago, que estava lá. João é sempre o homem da elevação espiritual, mas não era fantasioso e delicado, tanto que Jesus chamou a ele e a seu irmão Tiago de Boanerges, que significa "filho do trovão".

João esteve desterrado em Patmos, por ter dado testemunho de Jesus. Deve ter isto acontecido durante a perseguição de Domiciano (81-96 dC). O sucessor deste, o benigno e já quase ancião Nerva (96-98), concedeu anistia geral; em virtude dela pôde João voltar a Éfeso (centro de sua atividade apostólica durante muito tempo, conhecida atualmente como Turquia). Lá o coloca a tradição cristã da primeiríssima hora, cujo valor histórico é irrecusável.

O Apocalipse e as três cartas de João testemunham igualmente que o autor vivia na Ásia e lá gozava de extraordinária autoridade. E não era para menos. Em nenhuma outra parte do mundo, nem sequer em Roma, havia já apóstolos que sobrevivessem. E é de imaginar a veneração que tinham os cristãos dos fins do século I por aquele ancião, que tinha ouvido falar o Senhor Jesus, e O tinha visto com os próprios olhos, e Lhe tinha tocado com as próprias mãos, e O tinha contemplado na sua vida terrena e depois de ressuscitado, e presenciara a sua Ascensão aos céus. Por isso, o valor dos seus ensinamentos e o peso de das suas afirmações não podiam deixar de ser excepcionais e mesmo únicos.

Dele dependem (na sua doutrina, na sua espiritualidade e na suave unção cristocêntrica dos escritos) os Santos Padres daquela primeira geração pós-apostólica que com ele trataram pessoalmente ou se formaram na fé cristã com os que tinham vivido com ele, como S. Pápias de Hierápole, S. Policarpo de Esmirna, Santo Inácio de Antioquia e Santo Ireneu de Lião. E são estas precisamente as fontes donde vêm as melhores informações que a Tradição nos transmitiu acerca desta última etapa da vida do apóstolo.

São João, já como um ancião, depara-se com uma terrível situação para a Igreja, Esposa de Cristo: perseguições individuais por parte de Nero e perseguições para toda a Igreja por parte de seu sucessor, o Imperador Domiciano.

Além destas perseguições, ainda havia o cúmulo de heresias que desentranhava o movimento religioso gnóstico, nascido e propagado fora e dentro da Igreja, procurando corroer a essência mesma do Cristianismo.

Nesta situação, Deus concede ao único sobrevivente dos que conviveram com o Mestre, a missão de ser o pilar básico da sua Igreja naquela hora terrível. E assim o foi. Para aquela hora, e para as gerações futuras também. Com a sua pregação e os seus escritos ficava assegurado o porvir glorioso da Igreja, entrevisto por ele nas suas visões de Patmos e cantado em seguida no Apocalipse.

Completada a sua obra, o santo evangelista morreu quase centenário, sem que nós saibamos a data exata. Foi no fim do primeiro século ou, quando muito, nos princípios do segundo, em tempo de Trajano (98-117 dC).

Três são as obras saídas da sua pena incluídas no cânone do Novo Testamento: o quarto Evangelho, o Apocalipse e as três cartas que têm o seu nome.

São João Evangelista, rogai por nós!


quarta-feira, 26 de dezembro de 2012


Santo Estêvão


26 de Dezembro


Santo EstêvãoNos capítulos 6 e 7 dos Atos dos Apóstolos encontramos um longo relato sobre o martírio de Estêvão, que é um dos sete primeiros Diáconos nomeados e ordenados pelos Apóstolos. Santo Estêvão é chamado de Protomártir, ou seja, ele foi o primeiro mártir de toda a história católica. O seu martírio ocorreu entre o ano 31 e 36 da era cristã. Eis a descrição, tirada do livro dos Atos dos Apóstolos:

"Estêvão, porém, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Levantaram-se então alguns da sinagoga, chamados dos Libertos e dos Cirenenses e dos Alexandrinos, e dos da Cicília e da Ásia e começaram a discutir com Estêvão, e não puderam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. Subornaram então alguns homens que disseram: 'Ouvimo-lo proferir palavras blasfematórias contra Moisés e contra Deus'. E amotinaram o povo e os Anciãos e Escribas e apoderaram-se dele e conduziram-no ao Sinédrio; e apresentaram falsas testemunhas que disseram: 'Este homem não cessa de proferir palavras contra o Lugar Santo e contra a Lei; pois, ouvimo-lo dizer que Jesus, o Nazareno, destruirá este Lugar e mudará os usos que Moisés nos legou'. E todos os que estavam sentados no Sinédrio, tendo fixado os olhares sobre ele, viram o seu rosto como o rosto de um anjo".

Num longo discurso, Estêvão evoca a história do povo de Israel, terminando com esta veemente apóstrofe:

"'Homens de cerviz dura, incircuncisos de coração e de ouvidos, resistis sempre ao Espírito Santo, vós sois como os vossos pais. Qual dos profetas não perseguiram os vossos pais, e mataram os que prediziam a vinda do Justo que vós agora traístes e assassinastes? Vós que recebestes a Lei promulgada pelo ministério dos anjos e não a guardastes'. Ao ouvirem estas palavras, exasperaram-se nos seus corações e rangiam os dentes contra ele. Mas ele, cheio do Espírito Santo, tendo os olhos fixos no céu, viu a glória de Deus e Jesus que estava à direita de Deus e disse: 'Vejo os céus abertos e o Filho do homem que está à direita de Deus'. E levantando um grande clamor, fecharam os olhos e, em conjunto, lançaram-se contra ele. E lançaram-no fora da cidade e apedrejaram-no. E as testemunhas depuseram os seus mantos aos pés de um jovem, chamado Saulo. E apedrejavam Estêvão que invocava Deus e dizia: 'Senhor Jesus, recebe o meu espírito'. Depois, tendo posto os joelhos em terra, gritou em voz alta: 'Senhor, não lhes contes este pecado'. E dizendo isto, adormeceu".

Santo Estêvão, rogai por nós!

sábado, 15 de dezembro de 2012

Alguns Símbolos de Natal


São Nicolau de Mira 

Muito amado pelos cristãos e alvo de inúmeras lendas. Filho de pais ricos com profunda vida de oração, nasceu Nicolau no ano 275 em Pátara, na Ásia Menor. Tornou-se sacerdote da diocese de Mira, onde com amor evangelizou os pagãos, mesmo no clima de perseguição que os cristãos viviam.

São Nicolau é conhecido principalmente para com os pobres, já que ao receber por herança uma grande quantia de dinheiro, livremente partilhou com os necessitados. Certa vez, Nicolau sabendo que três pobres moças não tinham os dotes para o casamento e por isso o próprio pai, na loucura, aconselhou a prostituição, jogou pela janela da casa das moças três bolsas com o dinheiro suficiente para os dotes das jovens. Daí que nos países do Norte da Europa, usando da fantasia, viram em Nicolau o velho de barbas brancas que levava presentes às crianças no mês de dezembro.

Sagrado Bispo de Mira, Nicolau conquistou a todos com sua caridade, zelo, espírito de oração, e carisma de milagres. Historiadores relatam que ao ser preso, por causa da perseguição dos cristãos, Nicolau foi torturado e condenado a morte, mas felizmente se salvou em 313, pois foi publicado o edito de Milão que concedia a liberdade religiosa.

São Nicolau participou do Concilio de Nicéia, onde Jesus foi declarado consubstancial ao Pai. Entrou Nicolau no Céu em 324 ao morrer em Mira com fama de santidade e de instrumento de Deus para que muitos milagres chegassem ao povo.



Papai Noel: ele existiu de verdade e sua festa é celebrada no dia 6 de dezembro. Seu verdadeiro nome é Nicolau. Ele é um santo da Igreja Católica que ficou conhecido pela sua generosidade e alegria em servi a todos, principalmente os mais pobres. Com 19 anos se tornou Padre e logo depois Arcebispo.
Árvore de Natal: simboliza o Reino de Deus “Eu sou a árvore e vós sois os ramos”.Os cristãos da antiga Europa ornamentavam suas casas com pinheiros no dia no Natal, única árvore que nas imensidões da neve          permanecem verdes.
                                          Fonte: TÓ LIGADO
                                                                           

                                                                           

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Santa Luzia


Santa Luzia
O nome de Santa Luzia deriva do latim e significa: Portadora da luz. Ela é invocada pelos fiéis como a protetora dos olhos, que são a "janela da alma", canal de luz.

Ela nasceu em Siracusa (Itália) no fim do śeculo III. Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, a ponto de ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe, chamada Eutícia, a queria casada com um jovem de distinta família, porém, pagão.

Ao pedir um tempo para o discernimento e tendo a mãe gravemente enferma, Santa Luzia inspiradamente propôs à mãe que fossem em romaria ao túmulo da mártir Santa Águeda, em Catânia, e que a cura da grave doença seria a confirmação do "não" para o casamento. Milagrosamente, foi o que ocorreu logo com a chegada das romeiras e, assim, Santa Luzia voltou para Siracusa com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimentos pelos quais passaria, assim como Santa Águeda.

Santa Luzia vendeu tudo, deu aos pobres, e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Não querendo oferecer sacrifício aos falsos deuses nem quebrar o seu santo voto, ela teve que enfrentar as autoridades perseguidoras. Quis o prefeito da cidade, Pascásio, levar à desonra a virgem cristã, mas não houve força humana que a pudesse arrastar. Firme como um monte de granito, várias juntas de bois não foram capazes de a levar (Santa Luzia é muitas vezes representada com os sobreditos bois). As chamas do fogo também se mostravam impotentes diante dela, até que por fim a espada acabou com vida tão preciosa. A decapitação de Santa Luzia se deu no ano de 303.

Conta-se que antes de sua morte teriam arrancado os seus olhos, fato ou não, Santa Luzia é reconhecida pela vida que levou Jesus - Luz do Mundo - até as últimas consequências, pois assim testemunhou diante dos acusadores: "Adoro a um só Deus verdadeiro, e a Ele prometi amor e fidelidade".


Santa Luzia, rogai por nós!


object type="application/x-shockwave-flash" data="http://www.webtvcn.com/player/v/115481" width="490" height="303">

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Nossa Senhora de Guadalupe


Nossa Senhora de Guadalupe

Hoje, festa de Nossa Senhora de Guadalupe, recordamos as palavras dos bispos na Conferência de Aparecida: "Nossos povos encontram a ternura e o amor de Deus no rosto de Maria. Nela vem refletida a mensagem essencial do Evangelho. Nossa Mãe querida, desde o santuário de Guadalupe, faz sentir a seus filhos menores que eles estão na dobra de seu manto. Agora, desde Aparecida, convida-os a lançar as redes ao mundo, para tirar do anonimato aqueles que estão submersos no esquecimento e aproximá-los da luz da fé. Ela, reunindo os filhos, integra nossos povos ao redor de Jesus Cristo." (DA 265). 


Num sábado, no ano de 1531, a Virgem Santíssima apareceu a um indígena que, de seu lugarejo, caminhava para a cidade do México a fim de participar da catequese e da Santa Missa enquanto estava na colina de Tepeyac, perto da capital. Este índio convertido chamava-se Juan Diego (canonizado pelo Papa João Paulo II em 2002).

Nossa Senhora disse então a Juan Diego que fosse até o bispo e lhe pedisse que naquele lugar fosse construído um santuário para a honra e glória de Deus.

O bispo local, usando de prudência, pediu um sinal da Virgem ao indígena que, somente na terceira aparição, foi concedido. Isso ocorreu quando Juan Diego buscava um sacerdote para o tio doente: "Escute, meu filho, não há nada que temer, não fique preocupado nem assustado; não tema esta doença, nem outro qualquer dissabor ou aflição. Não estou eu aqui, a seu lado? Eu sou a sua Mãe dadivosa. Acaso não o escolhi para mim e o tomei aos meus cuidados? Que deseja mais do que isto? Não permita que nada o aflija e o perturbe. Quanto à doença do seu tio, ela não é mortal. Eu lhe peço, acredite agora mesmo, porque ele já está curado. Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao Bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é meu embaixador e merece a minha confiança. Quando chegar diante dele, desdobre a sua "tilma" (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém, só em sua presença. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu, nada omita..."

O prelado viu não somente as rosas, mas o milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, pintada prodigiosamente no manto do humilde indígena. Ele levou o manto com a imagem da Santíssima Virgem para a capela, e ali, em meio às lágrimas, pediu perdão a Nossa Senhora. Era o dia 12 de dezembro de 1531.

Uma linda confirmação deu-se quando Juan Diego fora visitar o seu tio, que sadio narrou: "Eu também a vi. Ela veio a esta casa e falou a mim. Disse-me também que desejava a construção de um templo na colina de Tepeyac e que sua imagem seria chamada de 'Santa Maria de Guadalupe', embora não tenha explicado o porquê". Diante de tudo isso muitos se converteram e o santuário foi construído.

O grande milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é a sua própria imagem. O tecido, feito de cacto, não dura mais de 20 anos e este já existe há mais de quatro séculos e meio. Durante 16 anos, a tela esteve totalmente desprotegida, sendo que a imagem nunca foi retocada e até hoje os peritos em pintura e química não encontraram na tela nenhum sinal de corrupção.

No ano de 1971, alguns peritos inadvertidamente deixaram cair ácido nítrico sobre toda a pintura. E nem a força de um ácido tão corrosivo estragou ou manchou a imagem. Com a invenção e ampliação da fotografia descobriu-se que, assim como a figura das pessoas com as quais falamos se reflete em nossos olhos, da mesma forma a figura de Juan Diego, do referido bispo e do intérprete se refletiu e ficou gravada nos olhos do quadro de Nossa Senhora. Cientistas americanos chegaram à conclusão de que estas três figuras estampadas nos olhos de Nossa Senhora não são pintura, mas imagens gravadas nos olhos de uma pessoa viva.

Declarou o Papa Bento XIV, em 1754: "Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros... uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja... Deus não agiu assim com nenhuma outra nação".

Coroada em 1875 durante o Pontificado de Leão XIII, Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada "Padroeira de toda a América" pelo Papa Pio XII no dia 12 de outubro de 1945.

No dia 27 de janeiro de 1979, durante sua viagem apostólica ao México, o Papa João Paulo II visitou o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe e consagrou a Mãe Santíssima toda a América Latina, da qual a Virgem de Guadalupe é Padroeira. 




Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Advento - Tempo de Esperança!


 Advento - 01/12
O Advento (do latim Adventus: "chegada", do verbo Advenire: "chegar a") é o primeiro tempo do Ano litúrgico, o qual antecede o Natal. Para os cristãos, é um tempo de preparação e alegria, de expectativa, onde os fiéis, esperando o Nascimento de Jesus Cristo, vivem o arrependimento e promovem a fraternidade e a Paz. No calendário religioso este tempo corresponde às quatro semanas que antecedem o Natal.
O tempo do Advento é para toda a Igreja, momento de forte mergulho na liturgia e na mística cristã. É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor, como uma noiva que se enfeita, se prepara para a chegada de seu noivo, seu amado.
O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de Novembro e vai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus contando quatro domingos.
O Advento recorda a dimensão histórica da salvação, evidencia a dimensão escatológica do mistério cristão e nos insere no caráter missionário da vinda de Cristo.
Ao serem aprofundados os textos litúrgicos desse tempo, constata-se na história da humanidade o mistério da vinda do Senhor, Jesus, que de fato se encarna e se torna presença salvífica na história, confirmando a promessa e a aliança feita ao povo de Israel. Deus que, ao se fazer carne, plenifica o tempo (Gl 4,4) e torna próximo o Reino (Mc 1,15).
O Advento recorda também o Deus da Revelação. Aquele que é, que era e que vem (Ap 1, 4-8), que está sempre realizando a salvação mas cuja consumação se cumprirá no "dia do Senhor", no final dos tempos.
 1° Domingo

Uma vela, na coroa, acendemos, 
Toda sombra se esvai com sua luz; 
Vigilantes, o Senhor esperemos: 
Chegou o tempo do Advento de Jesus ! 
Refrão: 

Meus irmãos, penitência e oração !
Arrumemos nossa casa co'alegria !
Logo a ela, o Senhor vai chegar,
Pelo ventre imaculado de Maria ! 

2º Domingo:

Outra vela, na coroa, acendemos, 
Penitentes nos caminhos do Senhor. 
Consolando os aflitos, busquemos. 
Novos céus e nova terra, com ardor! 

3º Domingo:

A terceira vela hoje acendemos 
E cantamos: "Alegrai-vos no Senhor!" 
No deserto, uma voz escutemos: 
Praticai a justiça e o amor! 

4º Domingo:

Acendemos hoje a última vela, 
Pois tão logo o Emanuel vai chegar. 
Com Maria, todos juntos, na espera, 
"Deus-Conosco", pro seu Reino implantar!
                                                      
O caráter missionário do Advento se manifesta na Igreja pelo anúncio do Reino e a sua acolhida pelo coração do homem até a manifestação gloriosa de Cristo. As figuras de João Batista e Maria são exemplos concretos da vida missionária de cada cristão, quer preparando o caminho do Senhor, quer levando o Cristo ao irmão para o santificar. Não se pode esquecer que toda a humanidade e a criação vivem em clima de advento, de ansiosa espera da manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus.
A celebração do Advento é, portanto, um meio precioso e indispensável para nos ensinar sobre o mistério da salvação e assim termos a Jesus como referência e fundamento, dispondo-nos a "perder" a vida em favor do anúncio e instalação do Reino.
A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão.
Deus é fiel a suas promessas: o Salvador virá; daí a alegre expectativa, que deve nesse tempo, não só ser lembrada, mas vivida, pois aquilo que se espera acontecerá com certeza. Portanto, não se está diante de algo irreal, fictício, passado, mas diante de uma realidade concreta e atual. A esperança da Igreja é a esperança de Israel já realizada em Cristo mas que só se consumará definitivamente na parusia (volta) do Senhor. Por isso, o brado da Igreja característico nesse tempo é "Marana tha"! Vem Senhor Jesus!
                                                                           
“Tempo de esperança e de viver
Tempo de ser novo e renascer
Eis que uma criança já se anuncia
Dentro de Maria o céu conosco está
Tempo de esperança e de alegria
Vamos esperar que o Senhor virá
O Libertador já vem!”





                                      COROA DO ADVENTO
A coroa do Advento foi concebida em Hamburgo, na Alemanha, há mais de cem anos , podemos dizer que ela constitui um hino à natureza que se renova, à luz que vence as trevas, um hino a Cristo, a verdadeira Luz, que vem para vencer as trevas do mal e da morte. É sobretudo, um hino à vida que brota da verdadeira Vida – Jesus.
Ela é feita de galhos sempre verdes entrelaçados, formando um círculo, no qual são colocadas 4 grandes velas representando as 4 semanas do Advento. A coroa pode ser, colocada ao lado do Altar ou em qualquer outro lugar visível.
A mensagem que a Coroa do Advento nos traz é entendida a partir do significado de cada símbolo com a qual é ornada.
A  forma circular da Coroa do Advento
A coroa tem a forma de círculo, o círculo não tem princípio, nem fim. É símbolo do tempo que não tem início nem fim, de Cristo, Senhor do tempo e da história, da eternidade, da unidade. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e nem fim, e também do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve terminar. Além disso, o círculo dá uma idéia de “elo”, de união entre Deus e as pessoas, como uma grande “Aliança”.

Desde a Antigüidade, a coroa é símbolo de vitória e do prêmio pela vitória.
Os ramos verdes
Os ramos que enfeitam o círculo costumam ser de pinus ou de ciprestes, pois não perdem as folhas no inverno, símbolo de persistência e de imortalidade, de vitória sobre a morte. Sua cor é verde, cor da esperança e da vida, Deus quer que esperemos a Sua graça, o Seu perdão misericordioso e a glória da Vida Eterna no final de nossa vida. Bênçãos estas que nos foram derramadas por Nosso Senhor Jesus Cristo, em Sua primeira vinda entre nós, e que agora, com esperança renovada, aguardamos a Sua consumação, na Sua segunda e definitiva volta. O ramos dos pinheiros permanecem verdes apesar dos rigorosos invernos, assim como os cristãos devem manter a fé e a esperança apesar das tribulações da vida.
A fita vermelha e detalhes dourados
A fita e o laço vermelho que envolvem a Coroa simbolizam o Amor  de Jesus Cristo, que Se torna Homem, é também simbolo da Sua vitória sobre a morte através de Sua entrega por amor.
Os detalhes dourados prefiguram a glória do Reino que virá.
As bolas
As bolas simbolizam os frutos do Espírito Santo que brotam no coração de cada cristão.
As quatro velas
As quatro velas da Coroa indicam as quatro semanas do Tempo do Advento, as quatro fases da história da Salvação preparando a vinda do Salvador, os quatro pontos cardeais irradiando a luz da salvação ao mundo inteiro, a Cruz de Cristo, o Sol da Salvação que ilumina o mundo envolto em trevas.
No início, vemos nossa coroa sem luz e sem brilho, isto nos recorda a experiência da escuridão do pecado. O ato de acender gradativamente, uma a uma as velas no decorrer das semanas do Advento, significa a progressiva vitória da Luz sobre as trevas, que vai acontecendo com a aproximação do Nascimento de Jesus,Luz do mundo, Aquele que dissipa toda escuridão, trazendo aos nossos corações a reconciliação tão esperada.
As cores das velas do Advento

A cor das velas originariamente, seguem a cor das vestes litúrgicas do Sacerdote, sendo assim: três velas de cor roxa e uma de cor rosa, as cores dos domingos do Advento: roxa, roxa, rosa, roxa. A cor roxa é usada no primeiro, segundo e quarto domingos do Advento simbolizando a conversão e penitência e a cor rosa no terceiro domingo (Gaudete-Alegrai-vos) simbolizando a alegria em meio à expectativa da chegada de Jesus.
Mas podem ser adotadas também as velas com as seguintes cores: Roxa, vermelha, rosa e verde ou ainda: roxa escura, roxa clara, rosa e branca.

Existem diferentes tradições sobre os significados das velas.

A mais usada:
·         A primeira vela é do profeta;
·         A segunda vela é de Belém;
·         A terceira vela é dos pastores;
·         A quarta vela é dos Anjos.
Outra tradição vê nas quatro velas as grandes fases da História da
Salvação até a chegada de Cristo. Assim:
·         A primeira é a vela do perdão concedido a Adão e Eva, que de mortais se tornaram seres viventes em Deus;
·         A segunda é a vela da fé de Abraão e de outros patriarcas a quem foi anunciada a Terra Prometida;
·         A terceira é a vela da alegria, lembra à alegria de Davi, que recebeu de Deus a promessa de uma aliança eterna, pela sua descendência;
·         A quarta é a vela do ensinamento, recorda os Profetas que anunciaram a chegada do Salvador.
Nesta perspectiva podemos ver nas quatro velas as vindas ou visitas de Deus na história, preparando Sua visita ou vinda definitiva no Seu Filho Encarnado, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo; que foram:
·         O tempo da criação: de Adão e Eva até Noé;
·         O tempo dos patriarcas;
·         O tempo dos reis;
O tempo dos profetas.

domingo, 18 de novembro de 2012

Natal um Presente de Deus


                   
               
                                                                                   
  CARTÃO DE NATAL ABAIXO:
                                                                                                             
A todos os amigos e catequizandos que frequentam este blog eu quero desejar um Feliz Natal e um Ano de 2013 cheio de bençãos, pois quanto mais eu vivo, eu entendo que sem Deus nem um minuto de nossa vida seria possível, pois Ele está presente até nas pequenas coisas e seu cuidado e amor com as pessoa é infinito.
Obrigada Deus por cuidar de todas as pessoas que são importantes na minha vida.
Nunca se esqueçam que Deus ama vocês!
                                                                                                         
                                                               
  

                                  
                                                                                                      

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Jesus Cristo, Rei do Universo (último domingo do Tempo Comum e do presente Ano B) - 22/11/2015

                                                                               
  •  “Cristo, Rei e Senhor do universo se fez servidor de todos, não veio “para ser servido, mas para servir e para dar sua vida em resgate por muitos”(Mt28,20)
  • “Servindo a Cristo também nos outros, com paciência e humildade, conduzam seus irmãos ao Rei. O Senhor quer dilatar seu reino, reino “de verdade e vida, reino de santidade e graça, reino de justiça, amor e paz.”(LG 36)


                                    Para dinamizar com os catequizandos:
1.      Pelo que nós conhecemos das historias, dos filmes e da televisão, como são e como vivem os reis? (Anotar as respostas no quadro - ou numa cartolina - dividido ao meio: Reino dos homens x Reino de Deus).
2.    Reflexão: Jesus nos mostra qual é o seu Reino em Jo 18, 33-37.
3.    Através de perguntas sobre o que já conhecem da vida de Jesus, preencher o lado do “Reino de Deus”, fazendo oposição ao que foi escrito no “Reino dos homens”.
4.    O nosso querido Papa Bento XVI, numa festa de Cristo Rei, disse: “Jesus quer reinar no coração das pessoas e, a partir daí, sobre o mundo. Ele é rei de todo o universo, mas o ponto crítico, o lugar onde o seu reinado corre perigo é o nosso coração”. Por que será que o Papa disse isso? (Dar tempo para as respostas; após a partilha, distribuir um coração feito em cartolina para cada participante. Providenciar também lápis e borracha para cada um).
5.     Continuando o Papa fez a pergunta: - “Que resposta daríamos a Jesus hoje se Ele nos perguntasse : Como posso ser Rei na tua vida?” E o Papa também quis responder; sabem qual foi a sua resposta ? “Eu lhe responderia que, para que Ele reine em mim, necessito da sua graça abundantemente.”
6.    Bento XVI disse que precisa da ajuda da graça de Deus para que Jesus reine em seu coração. E nós, também precisamos da ajuda de Deus? Quem acha que sim, vai escrever a lápis, bem de leve, no coração que recebeu o que precisa ser arrancado para que Jesus possa ser o seu verdadeiro Rei. Depois, calmamente, vai apagando o que está errado e substituindo por aquilo que Jesus gostaria de encontrar no seu coração, para de lá nunca mais sair. Agora você pode escrever bem forte. Não se esqueça de guardar o coração num lugarzinho especial para que você possa ler o que escreveu quando precisar.                    Feliz Festa de Cristo Rei!