sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Evangelho Lc 1,39-56 e Assunção de Nossa Senhora

Assunção de Nossa Senhora
                                    

A Assunção de Maria significa a glorificação da Mãe de Deus, acolhida no céu como nossa Mãe e Modelo no seguimento de Cristo. Nossa Senhora sempre acreditou na promessa do Senhor. Por isso, confiemos no Senhor e em sua promessa de vida para todos. Rezemos e meditemos hoje sobre a vocação à vida religiosa. Como Maria, os consagrados desejam dedicar-se inteiramente ao Senhor, no serviço aos irmãos e irmãs.

Evangelho Lc 1,39-56 - 19/agosto - Maria visita sua prima Isabel:
A cena mostra o encontro de duas mães agraciadas com o dom da fecundidade e da vida. Maria se torna assim, pioneira insuperável de evangelização, pois leva Jesus-Messias às pessoas. Maria é discípula fiel e solidária.
No ventre destas duas mães estão, Jesus e João Batista no primeiro encontro entre eles. João começa ali a sua missão de anunciar a vinda do Messias:
Ao ser saudada por Isabel, Maria entoa um cântico a Deus, o “Magnificat, ou canto de Maria”, que está entre o Antigo e o Novo Testamento, saindo do tempo de espera para o de realizações. Neste louvor Maria revela a alegria de ser considerada digna de dar a luz ao Salvador, e com humildade de serva abençoada por Deus, louva o Santo Nome do Senhor que veio libertar seu povo da opressão e do pecado defendendo os pobres e marginalizados das injustiças.
Através do louvor de Maria, se vê claramente que, diante de Deus, grande é aquele que se torna seu servo e não o que quer se tornar grande explorando e humilhando os outros. Maria era uma mulher simples, e esse louvor cheio de graça e beleza, só é possível porque ela não está cheia de si, mas está a serviço do Pai, cheia do amor de Deus, repleta do Espírito Santo.
O canto de Maria nos estimula a lutar pelo mundo novo já iniciado com a ressurreição de Jesus. Esse mundo novo vai se tornando realidade concreta quando somos cidadãos conscientes e responsáveis.




Assunção de Nossa Senhora


15 de Agosto

Hoje, solenemente, celebramos o fato ocorrido na vida de Maria de Nazaré, proclamado como dogma de fé, ou seja, uma verdade doutrinal, pois tem tudo a ver com o mistério da nossa salvação. Assim definiu pelo Papa Pio XII em 1950 através da Constituição Apostólica Munificentissimus Deus: "A Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre foi assunta em corpo e alma à glória celestial."

Antes, esta celebração, tanto para a Igreja do Oriente como para o Ocidente, chamava-se "Dormição", porque foi sonho de amor. Até que se chegou ao de "Assunção de Nossa Senhora ao Céu", isto significa que o Senhor reconheceu e recompensou com antecipada glorificação todos os méritos da Mãe, principalmente alcançados em meio às aceitações e oferecimentos das dores.

Maria contava com 50 anos quando Jesus subiu ao Céu. Tinha sofrido muito: as dúvidas do seu esposo, o abandono e pobreza de Belém, o desterro do Egito, a perda prematura do Filho, a separação no princípio do ministério público de Jesus, o ódio e perseguição das autoridades, a Paixão, o Calvário, a morte do Filho e, embora tanto sofrimento, São Bernardo e São Francisco de Sales é quem nos aponta o amor pelo Filho que havia partido como motivo de sua morte.

É probabilíssima, e hoje bastante comum, a crença de a Santíssima Virgem ter morrido antes que se realizasse a dispersão dos Apóstolos e a perseguição de Herodes Agripa, no ano 42 ou 44. Teria então uns 60 anos de idade. A tradição antiga, tanto escrita como arqueológica, localiza a sua morte no Monte Sião, na mesma casa em que seu Filho celebrara os mistérios da Eucaristia e, em seguida, tinha descido o Espírito Santo sobre os Apóstolos.

Esta a fé universal na Igreja desde tempos remotíssimos. A Virgem Maria ressuscitou, como Jesus, pois sua alma imortal uniu-se ao corpo antes da corrupção tocar naquela carne virginal, que nunca tinha experimentado o pecado. Ressuscitou, mas não ficou na terra e sim imediatamente foi levantada ou tomada pelos anjos e colocada no palácio real da glória. Não subiu ao Céu, como fez Jesus, com a sua própria virtude e poder, mas foi erguida por graça e privilégio, que Deus lhe concedeu como a Virgem antes do parto, no parto e depois do parto, como a Mãe de Deus.

Nossa Senhora da Assunção, rogai por nós!

Nenhum comentário:

Postar um comentário